Arquivo

Arquivo do Autor

Eleição 2018 no DF: Os candidatos

16 de agosto de 2018 1 comentário

 

As listas e as situações de registro foram atualizadas em 16/08/2018 às 14:40 

Total de candidatos: 1.215

Candidatos a Governador: 11 (+ 11 Vice). A lista > 2018 DF Candidatos Governador

Candidatos a Senador: 19 (+ 19 1o Suplente + 19 2o Suplente). A lista > 2018 DF Candidatos Senador

Candidatos a Deputado Federal: 182. A lista > 2018 DF Candidatos Federal

Candidatos a Deputado Distrital: 954. A lista > 2018 DF Candidatos Distrital

 

Candidatos ao Governo:

Nome Partido

2018

Coligação
Alexandre Guerra NOVO Sem coligação
Eliana Pedrosa PROS 7 partidos: PTB/PHS/PMN/PMB/PTC/PATRI/PROS
Fátima Souza PSOL 2 partidos: PCB/PSOL
Fraga DEM 4 partidos: PR/DEM/DC/PSDB
General Paulo Chagas PRP 2 partidos: PRP/PRTB
Guillen PSTU Sem coligação
Ibaneis Rocha MDB 5 partidos: PP/MDB/PSL/PPL/AVANTE
Júlio Miragaya PT Sem coligação
Renan Rosa PCO Sem coligação
Rodrigo Rollemberg PSB 5 partidos: PDT/REDE/PSB/PV/PCdoB
Rogério Rosso PSD 6 partidos: PRB/PODE/PSC/PPS/PSD/SD

 

Coligações para Federal: 14

Nome Candidatos Partidos
Brasília Acima de Tudo 16 PRTB/PRP
Brasília de Mãos Limpas 16 PDT/REDE/PSB/PV/PCdoB
DC 14 DC
Elas por nós: sem Medo de Mudar o DF 16 PSOL/PCB
NOVO 6 NOVO
PCO 4 PCO
PPL 13 PPL
Pra Fazer a Diferença I 16 PP/MDB/PSL/AVANTE
PSTU 1 PSTU
PT 16 PT
Renovar DF 16 PTB/PHS/PTC/PATRI
Renovar DF 2 16 PMN/PMB/PROS
Unidos pelo DF 1 16 PRB/PODE/PSC/PPS/PSD/SD
União e Força 16 PR/DEM/PSDB

 

Coligações para Distrital: 24

Nome Candidatos Partidos
AVANTE 48 AVANTE
Brasília Acima de Tudo 48 PRTB/PRP
Brasília Justa e de Mãos Limpas 48 REDE/PCdoB
Coligação Unidos pelo DF 3 48 PRB/SD
Elas por nós: sem Medo de Mudar o DF 23 PSOL/(PCB sem candidato)
MDB 48 MDB
Mobilizar par Mudar 48 PMN/PTC
NOVO 31 NOVO
PCO 5 PCO
PHS 40 PHS
PP 47 PP
PPS 30 PPS
PR 44 PR
PROS 48 PROS
PSB 37 PSB
PSC 44 PSC
PSTU 1 PSTU
PT 34 PT
PTB 48 PTB
Renova DF 48 PMB/PATRI
Sustentabilidade e Trabalho 48 PDT/PV
Todos pelo DF 48 DEM/DC/PSDB
Uma Nova Esperança 46 PSL/PPL
Unidos pelo DF 2 43 PODE/PSD
Anúncios

Eleições no DF: os mais votados na história

Em menos de dois meses, os eleitores do DF terão comparecido pela décima vez (sem contar os segundos turnos) às urnas. Mais de mil candidatos terão disputado 40 cargos regionais (Governador e Vice, 2 Senadores e 4 Suplentes, 8 Deputados Federais, 24 Deputados Federais) + 2 nacionais (Presidente da República e Vice), e teremos “campeões” de voto nas “categorias” Presidente, Governador, Senador, Federal e Distrital.

Este post é para refrescar memória. A tabela a seguir indica os mais votados nos cargos no DF desde a primeira eleição em 1986.

E tendo com destaques Lula, Joaquim Roriz, Reguffe, Arruda e Luiz Estévão… > Histórico mais votados para cada cargo eleições DF

Nota-se que o DF votou antes da redemocratização. Foi na eleição de 1960 para designar o Presidente da República e seu Vice (que não concorriam em chapa na época, mas em votações separadas).

Jânio Quadros foi eleito com 48,26 % dos votos no Brasil, mas os poucos eleitores do Distrito Federal (como de 8 outros estados), teriam preferido Henrique Lott como Presidente. Dos 21.842 votos válidos, 10.444 (47,82 %) foram para o General.

João Goulart pôde contar com o DF para se eleger Vice-Presidente: obteve aqui 46,37 % dos votos, contra 36,10 % nacionalmente.

Os eleitores do DF foram também chamados a opinar no plebiscito sobre o sistema de governo em 1993. Terceiro estado mais interessado (os abstencionistas foram parcos 15,9 %, atrás somente de São Paulo (12,8 %) e Rio Grande do Sul (15,6 %), ele se pronunciou claramente (mais ainda que a média nacional) pela República, que reuniu 88,8 % dos sufrágios.

Enfim, em 2005, no referendo sobre a proibição de comercialização de armas de fogo e munições, o DF também disse não ao referendo (como todas as unidades da União), mas com menos intensidade que no resto do País: 56,83 % aqui, 63,94 % no Brasil.

Gastos de propaganda e publicidade do GDF no 2o trimestre 2018: R$ 28 milhões

O DODF 129, de 10/07/2018, informa que os gastos do Governo com Publicidade no segundo trimestre de 2018 foram de R$ 27.957.539,00 (deste total, R$ 16 milhões são referentes a despesas de 2014; R$ 11,8 milhões a 2018 e R$ 181 mil a 2017).

Cópia do DODF > GPU_2018T2-Publicação Gastos Publicidade 2º Trimestre de 2018

O volume no primeiro semestre é parecido como o de 2017, muito inferior a 2016.

Confira a série histórica por trimestre desde 2015 > GASTOS EM PROPAGANDA GDF Tableau

 

Para o segundo trimestre de 2018, o montante foi distribuído da forma seguinte (confira o gráfico por tipo de mídia e produção > Total pago 2o tri 2018 por tipo de mídia

De forma incomum, quem recebeu o maior volume de pagamentos foram os suportes alternativos como painéis, outdoors, propaganda em paradas de ônibus. Por outro lado, a TV, habitual destinatária da maior fatia dos gastos, foi superada até pelo rádio neste trimestre.

Veiculação em suportes alternativos (*): R$ 8.159.921,46 (confira os montantes por empresa > DODF 2018 2o tri midia alternativa

Produção: R$ 5.489.153,67 (confira os montantes por produtor > DODF 2018 2o tri midia produção

Veiculação em Radio: R$ 4.367.573,71 (confira os montantes por emissora > DODF 2018 2o tri midia radio

Veiculação em TV: R$ 4.092.629,96 (confira os montantes por emissora > DODF 2018 2o tri midia TV

Veiculação em Jornal: R$ 3.128.888,53 (confira os montantes por jornal > DODF 2018 2o tri midia jornal

Veiculação na Internet: R$ 1.569.604,98 (confira os montantes por endereço > DODF 2018 2o tri midia internet

Veiculação em revista: R$ 732.949,61 (confira os montantes por revista > DODF 2018 2o tri midia revista

Veiculação de publicidade legal: R$ 407.602,92 (confira os montantes por jornal > DODF 2018 2o tri midia legal

Veiculação em cinemas: R$ 9.214,45 (só um pagamento para Arcoplex Cinemas)

(*) a veiculação em suporte alternativos – outdoors, paradas de ônibus, carros de som – não deve ser confundida com a veiculação em mídia alternativa, objeto da Emenda 74/2014 ao artigo 149 da Lei Orgânica, de autoria da Deputada Luzia de Paula, que destina “no mínimo, dez por cento do total das despesas com publicidade do Poder Legislativo e dos órgãos ou entidades da administração direta e indireta do Poder Executivo para contratação de veículos alternativos de comunicação comunitária impressa, falada, televisada e on-line sediados no Distrito Federal.”

No primeiro trimestre de 2018, o GDF elencou nesta categoria de “veiculação em mídia alternativa” gastos num total de R$ 628.976,88 (que corresponde a 2,25 % da despesa total) (confira a lista e os montantes da mídia alternativa > DODF 2018 2o tri midia veículos alternativos

(NB: as despesas da “mídia alternativa” estão também incluídas nas respectivas categorias – internet e jornal – nas listas precedentes)

Eleição 2014, DF. Rollemberg x Reguffe

(foto proveniente do site http://donnysilva.com.br/)

 

É praxe na história eleitoral do DF chamar de “3a via” (e eventualmente “4a via” quando presente) a chapa concorrendo à margem do tradicional embate “azul x vermelho”. Maurício Corrêa (PDT) em 1990 (14,29 %), Maria de Lourdes (PSDB) em 1994 (20,18 %), José Roberto Arruda (PSDB) em 1998 (17,84 %), e Benedito Domingos (PPB) (7,27 %) e Rodrigo Rollemberg (PSB) em 2002 (6,79 %) abriram o caminho para a vitória, ainda em primeiro turno, da 3a via em 2006: José Roberto Arruda, desta vez no DEM, chegou ao Buriti com 50,38 % dos votos válidos.

Após um ano conturbado, a atípica eleição de 2010 viu Toninho do PSOL atingir quase 200 mil votos (14,25 %), sem que possa ser considerado uma terceira via costumeira, em geral representando uma linha de centro-esquerda ou centro-direita.

Em 2014, Rodrigo Rollemberg (PSB), após eliminar no primeiro turno o Governador tentando a reeleição Agnelo Queiroz (PT), se elegeu Governador derrotando Jofran Frejat no segundo turno. A análise da votação do socialista indicou uma migração, já no primeiro turno, de votos tradicionalmente destinados ao candidato do PT. Contrariamente à eleição de Arruda em 2006, que tinha recebido votos habitualmente atraídos pelo grupo Roriz.

Há quatro anos, com uma só vaga de Senador em jogo, a candidatura ao Buriti de Rodrigo Rollemberg foi associada à do então Deputado Federal Reguffe. O resultado no primeiro turno é inapelável: Reguffe derrotou amplamente o então Senador Gim (PTB) candidato à reeleição, e o Deputado Federal Magela (PT), obtendo 826.576 votos (57,61 % dos válidos). Já o futuro Governador Rollemberg recolhia 692.855 sufrágios (45,16 %).

O gráfico a seguir mostra que o eleitorado de ambos foi quase perfeitamente o mesmo há quatro anos > 2014 Rollemberg x Reguffe

 

Servidores GDF junho 2018: contratações na Saúde e na PMDF, e mais comissionados

O Diário Oficial de 11 de julho de 2018 publica o quadro da força de trabalho ativa do Governo de Brasília em 30/06/2018.

Cópia do DODF > QSE_Julho_2018_2º-Trimestre-2018-DODF

 

Março de 2018

O total de servidores ativos em 31/03/2018 é de 129.015. A Secretaria de Educação continua o maior “empregador” do serviço público Distrital, com 36.750 servidores, seguida da SE Saúde com 34.162 e Polícia Militar com 12.018.

O total de cargos em comissão (concursados + livre provimento) é de 13.863. Em números absolutos, é SE Saúde que possui mais funções gratificadas (1.889), seguida da Polícia Civil (1.165) e da SE Trabalho (601).

O número de cargos comissionados ocupados por servidores sem vínculos com o GDF é de 6.449, que corresponde a 5,00 % do total de servidores.

A PMDF é a unidade com maior número absoluto de comissionados de livre provimento (sem concurso) com 382, seguida da SE Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres e Igualdade Racial (377) e da SE Saúde (367).

Em termos percentuais, exceto a CEB Gás onde o único servidor é de fora do quadro, a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso do Distrito Federal-FUNAP aparece como o maior percentual de não-vinculados com 52 de seus 53 servidores (98,01 %), seguida da Administração Regional da Fercal com 14 de seus 15 servidores (93,33 %) e da CODHAB com 189 de seus 203 servidores (93,10 %).

Confira os servidores do GDF em 30/06/2018 > Comissionados jun 2018

NB: a tabela indica: “total” o número total de servidores; “comis” o número de cargos em comissão; “sem vinc” o número de servidores sem vínculo com o GDF em cargos comissionados.

NB: os números indicados pela Administração Regional do Cruzeiro parecem errados. Havia, em março, 53 Servidores, dos quais 41 comissionados sem vínculo. Na publicação de julho, o total aumenta para 60, que seriam todos concursados já que o número de comissionados é 0.

 

Março/Junho 2018

 

Todos os componentes da força de trabalho do GDF estão em alta: os concursados (+ 892) principalmente graças nomeações na SE Saúde e na PMDF, os cargos em comissão (+ 219) e os comissionados sem vínculo (+ 151). O número atual dessa categoria de servidores (6.449), destinada a pessoas de confiança mas que não integram o Serviço Público, é o maior desde o início do Governo Rollemberg em janeiro de 2015.

Em alta: A SE Saúde é a unidade que mais cresceu (+ 1.020), seguida da PMDF (+ 394) e da SE Planejamento, Orçamento e Gestão (+ 195).

A SE Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres e Igualdade Racial foi quem mais aumentou seu contingente de comissionados sem vínculo pelo segundo trimestre consecutivo (+ 29), seguida da SE Saúde (+ 23) e da SE Justiça e Cidadania (+ 18).

Em baixa: O efeito “ioiô” continua: destaques negativos em março, a PMDF e a SE Saúde recompõem (em parte) neste trimestre, enquanto a SE Educação, em alta em março, perde todos seus novos integrantes, e mais um pouco (- 807 em junho contra + 687 em março). A CAESB conta 93 Servidores a menos e há 63 bombeiros a menos no DF.

Não levando em consideração os números da AR Cruzeiro por razões expostas no NB acima, as unidades que mais desligaram comissionados sem vínculo foram a Terracap (- 38), a Vice-Governadoria (- 23) e a SE Educação (- 8). Nota-se que a Vice-Governadoria, que chegou a ser assessorada por 175 Servidores dos quais 90 comissionados no primeiro ano do Governo Rollemberg, está hoje reduzida a um total de 56, com somente 3 integrantes não vinculados.

 

Mais gente nas Administrações Regionais: 2.180 (+ 69), e sobretudo mais comissionados sem vínculo (+ 31) (na realidade + 71 se retificar os 40 esquecidos pela AR Cruzeiro). Os “indicados” representam 61 % da força de trabalho das ARs.

Confira a variação da força de trabalho do GDF entre março e junho de 2018 > Servidores mar-jun 2018

 

Histórico:

Confira a variação da força de trabalho total do GDF de dezembro de 2014 a junho de 2018 > Tableau servidores GDF Força

Confira a variação dos comissionados sem vínculo desde dezembro de 2014 > Tableau servidores GDF comissionados

Eleição 2018: Quocientes eleitorais, uma questão de adivinhação

Os Quocientes Eleitorais (no caso do DF, para Deputado Federal e Distrital) são objeto de todas as atenções nos QG partidários.

Mesmo com a alteração da legislação que permitirá, pela primeira vez, a partidos ou coligações que não atingiram o QE de disputar as vagas remanescentes, a determinação dos QE é de grande importância para a confecção das listas de candidatos. Num partido que avalia chegar a 100 mil votos para Distrital, por exemplo, um quociente eleitoral mais baixo garantiria a segunda vaga.

Não é necessário lembrar que os Quocientes são o resultado da divisão do número de votos válidos pelo número de cadeiras disponíveis (8 para a bancada Federal, 24 para a Distrital).

A rigor, o primeiro dado a observar é o eleitorado: em 2014, o DF contava 1.895.994 eleitores aptos a votar em outubro. Neste ano, serão 2.086.059, um aumento de 190.065 (10,02 %).

Há quatro anos, os votos válidos foram 1.454.063 para Federal, e 1.525.265 para Distrital. Aplicando uma simples regra de três, poderíamos projetar 1.599.760 votos válidos para Federal, e 1.678.097 para Distrital.

Assim sendo, os Quocientes Eleitorais seriam 199.970 para Federal (foi 181.758 em 2014), e 69.921 para Distrital (foi 63.553 há quatro anos). Mas…

A incógnita são os votos inválidos

Analistas e pesquisas indicam um descontentamento do eleitor com a representação política como um todo. Com raras exceções, os números de aprovação dos chefes dos Executivos nacional e estaduais estão baixos. E parlamentares tanto da Câmara dos Deputados quanto do Senado passaram por situações delicadas em aparições públicas.

As pesquisas de opinião, por enquanto, mostram grande desinteresse da população. Eleitores que pretendem votar em branco ou nulo, ou mesmo nem comparecer no dia do pleito formam hoje maioria. Por outro lado, a eleição geral será realizada, e Presidente da República, Governadores, dois terços dos Senadores, Deputados Federais, Estaduais e Distritais serão eleitos, mesmo sem esses votos inválidos. Contrariamente a informações que aparecem sempre em época de eleição, mesmo que o número de votos inválidos (em particular nulos) seja superior a 50 %, o pleito é regular, e os resultados proclamados. Só seria organizada uma nova eleição se um candidato eleito tiver seu registro ou seu mandato cassado posteriormente.

Isto ocorreu para duas eleições estaduais, por razões diversas, nos últimos meses: Amazonas e Tocantins.

Os amazonenses voltaram às urnas em 6 de agosto de 2017. Em relação à eleição de 2014, houve aumento da abstenção (passou de 19,49 % a 24,35 %), dos votos nulos (de 5,95 % a 12,33 %) e dos votos em branco (de 2,35 % para 3,49 %).

No total, os votos válidos representaram 73,82 % do eleitorado em 2014, e 63,68 % em 2017, uma queda de mais de 10 pontos percentuais.

No Tocantins, a nova eleição foi realizada em 3 de junho de 2018. De novo, houve aumento significativo das abstenções (de 19,60 % para 30,14 %) e dos nulos (de 9,77 % para 17,13 %). Os votos em branco ficaram estáveis (2,06 % em 2018 contra 2,47 % em 2014).

O total de votos válidos, que representava 70,56 % do eleitorado há quatro anos, caiu para 56,46 % em junho de 2018, 14 pontos a menos.

Mesmo considerando o baixo interesse do eleitor numa eleição “tampão” de poucos meses como foi no Tocantins, é inegável a desmobilização político-eleitoral do cidadão.

Eleição municipal 2016: aumento dos inválidos… mas nem tanto.

Matérias e comentários alarmistas apareceram após a eleição municipal de 2016: usando com exemplo a aumento considerável dos votos inválidos nas grandes capitais. No entanto, uma análise detalhada do conjunto dos votos inválidos (abstenção, nulos e brancos) nas 27 capitais indica um aumento mais contido, de 6,12 pontos percentual. Se Aracaju (- 16,28 p.p. de votos validos), Maceió (- 13,13 p.p.), Curitiba (- 11,98 p.p.) e Porto Velho (- 10,23 p.p.) tiveram aumento significativo, outras capitais como Vitória (+ 9,05 p.p.), São Luís (+ 4,74 p.p.) ou Florianópolis (+ 4,27 p.p.) vieram mais eleitores às urnas que em 2012.

Confira a tabela comparativa dos votos inválidos nas eleições municipais 2012/2016 > QEs 2012-2016 comp Vereadores

Nota-se que a eleição 2016 no Entorno do DF não mostrou grande variação: as abstenções até baixaram (de 16,28 % para 16,04 %), os nulos em ligeira crescimento (de 2,88 % para 3,15 %), só os votos em branco tiveram real aumento, passando de 4,28 % para 5,48 % do eleitorado.

E 2018 ? Adivinhe !

O estabelecimento de metas eleitorais, particularmente importante para a definição das coligações para Federal e Distrital, depende da captação do comportamento do eleitor. Mas a proporção precisa ser respeitada: as probabilidades de QEs para as próximas eleições precisam “casar” o quociente federal e o distrital. A relação Distrital/Federal (sempre a favor do primeiro, o voto para Federal é tradicionalmente o que recebe menos votos válidos) não deve se modificar. Assim, quem prevê, por exemplo, um QE de 170 mil para Federal precisa considerar um QE de para Distrital. Simples questão matemática.

O blog preparou uma tabela degressiva indicando as probabilidades de QEs segundo as opções. Escolhe a que lhe parece mais provável ! > Tabela cálculo QEs

Marc Arnoldi

Filiados partidos BR abril 2018: um troca-troca de profissionais

O Brasil conta com 35 partidos políticos cadastrados no Tribunal Superior Eleitoral. Duas vezes ao ano, em abril e outubro, as agremiações devem atualizar suas relações de filiações, que são transmitidas e verificadas pelo TSE.

Este post, continuando a série começada em outubro de 2013, relata os números do cadastro atualizado em abril de 2018.

 

Brasil: 

Dos 146.632.503 eleitores brasileiros  (+ 0,07 % em relação a outubro de 2017), um total de 16.803.430 está filiado a um dos 35 partidos políticos atualmente em funcionamento no Brasil, uma alta de 110.702 desde outubro do ano passado, e de mais de 130 mil em um ano.

Somente 4 partidos tiveram baixas no semestre, e mesmo assim muito pequenas. O PMDB, líder do ranking, é um deles, perdendo 187 filiados.

O PCdoB recuperou a 12a colocação no ranking, devolvendo a “ultrapassagem” do PRB no semestre anterior, enquanto o Novo ganhou duas posições para chegar à 32a.

Em números absolutos, o PSL acolheu o maior número de novos filiados no semestre (13.793), seguido do Solidariedade (12.489), do PP (6.972), do PSDB (6.165) e do Novo (5.278).

E é o mesmo Novo que obteve o maior crescimento proporcional no semestre (+ 38,40 %), seguido do PCO (+ 28,23 %) e da REDE (+ 15,73 %).

Sem modificação no Top 10, o PMDB continua o partido com mais filiados no Brasil, com grande margem sobre o PT, segundo, e o PSDB, terceiro, ambos com alta inferior à média.

LISTA DOS PARTIDOS, NÚMERO DE FILIADOS NO BRASIL / ABRIL 2018 e HISTÓRICO > Filiados 2018 abril Brasil

 

Estado por Estado 

AC – ACRE

 

Habitantes: 829.619 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 542.304 (+1,38 %)

Eleitores filiados: 76.374 (14,08 % do eleitorado)

Partido do Governador: PT

Partido do Prefeito da Capital: PT

 

Comentário do semestre: 14 partidos registram crescimento acima da média do Estado (uma das maiores do Brasil, (+ 2,90 %), PDT continua sua progressão, PT e PMDB segundo semestre consecutivo em baixa.

Top 5: PT, PMDB, PCdoB, PP, PSDB (sem modificação)

O PMB mais que quadruplica seus filiados, ganhando nove posições no ranking para entrar no Top 20, o PSC ultrapassa o PPS para ocupar a décima-quinta colocação.

Proporcionalmente, destaques positivo para PMB (+ 444,78 %), PPL (+ 119,35 %) e Solidariedade (+ 42,41 %), e negativo para PEN (- 4,26 %), PRB (- 1,37 %) e PR (- 1,29 %).

Confira o ranking dos partidos no Acre em abril de 2018 > 2018 Abril AC

 

AL – ALAGOAS

Habitantes: 3.358.963 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.169.729 (+1,96 %)

Eleitores filiados: 183.204 (8,44 % do eleitorado)

Partido do Governador: PMDB

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: saldo semestral ligeiramente positivo em Alagoas, 18 partidos crescendo acima dele. O DEM, sexto, vê o Top 5 cada vez mais longe e vai ter que tomar cuidado com o PT, sétimo e se aproximando.

Top 5: PMDB, PP, PSB, PSDB, PTB (sem modificação)

O PTC ganha duas posições no ranking para chegar à 24a, enquanto o PSL ultrapassa o PV para obter a 16a colocação.

Proporcionalmente, destaques positivo para PCO (+ 407,69 %), PTC (+ 21,11 %) e Novo (+ 18,82 %), e negativo para PSTU (- 12,13 %), PRB (- 3,85 %) e DEM (- 2,25 %).

Confira o ranking dos partidos em Alagoas em abril de 2018 > 2018 Abril AL

 

AM – AMAZONAS

Habitantes: 4.001.667 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.412.173 (+3,06 %)

Eleitores filiados: 237.641 (9,85 % do eleitorado)

Partido do Governador: PDT

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: O crescimento de PHS, SD e PT constitui o essencial do aumento do número de filiados no estado. O PT, por sinal, se aproxima do PSC e da vice-liderança.

Top 5: PCdoB, PSC, PT, PMDB, PP (sem modificação)

O PHS recebe três mil militantes no semestre, ganhando dez posições no ranking. O Solidariedade também sobe significativamente, quatro posições, enquanto o PR recupera a sétima colocação perdida para o DEM no semestre precedente.

Proporcionalmente, destaques positivo para PHS (+ 68,72 %), SD (+ 47,54 %) e Novo (+ 44,29 %), e negativo para PRB (- 0,67 %), PCdoB (- 0,65 %) e PMB (- 0,57 %).

Confira o ranking dos partidos no Amazonas em abril de 2018 > 2018 Abril AM

 

AP-AMAPÁ

Habitantes: 797.722 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 505.943 (+3,80 %)

Eleitores filiados: 96.816 (19,13 % do eleitorado)

Partido do Governador: PDT

Partido do Prefeito da Capital: REDE

 

Comentário do semestre: o PSOL continua o partido mais frequentado, mas vê o PDT se aproximar cada vez mais. O partido da rosa é, por sinal, o único do Top 5 a ganhar aderentes. O Solidariedade dá um pulo significativo.

(NB: o Amapá só tem 34 diretórios de partidos. Não há filiados ao PCO no estado).

Top 5: PSOL, PDT, PSDB, PT, DEM. (sem modificação)

O SD ganha cinco posições no ranking, Avante e PMB uma cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para SD (+ 132,74 %), PROS (+ 11,40 %) e PSL (+ 8,78 %), e negativo para Novo (- 5,56 %), PTC (- 2,76 %) e PRTB (- 2,11 %).

Confira o ranking dos partidos no Amapá em abril de 2018 > 2018 Abril AP

 

BA-BAHIA

Habitantes: 15.344.447 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 10.259.794 (-3,38 %, estado que mais perde eleitores, e que passou pelo recadastramento biométrico)

Eleitores filiados: 994.835 (9,70 % do eleitorado)

Partido do Governador: PT

Partido do Prefeito da Capital: DEM

 

Comentário do semestre: Todo o Top 5 está em baixa, mas de forma pequena, não impedindo o aumento do número total de filiados. O PSDB, em um ano, se aproximou bastante da quinta colocação.

Top 5: PMDB, DEM, PT, PP, PTB (som modificação)

Solidariedade é o único a ganhar uma posição no ranking, pelo segundo semestre consecutivo.

Proporcionalmente, destaques positivo para NOVO (+ 20,82 %), SD (+ 11,21 %) e REDE (+ 6,38 %), e negativo para PSTU (- 1,15 %), AVANTE (- 0,20 %) e PMB (- 0,18 %).

Confira o ranking dos partidos na Bahia em abril de 2018 > 2018 Abril BA

 

CE-CEARÁ

Habitantes: 8.904.459 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 6.289.499 (-1,36 %)

Eleitores filiados: 546.686 (8,69 % do eleitorado)

Partido do Governador: PT

Partido do Prefeito da Capital: PDT

 

Comentário do semestre: Os partidos do topo do ranking perdem filiados, exceto o PMDB. O PCdoB consolida a 10a posição obtida no semestre passado.

Top 5: PT, PSDB, PMDB, PP, PTB (sem modificação)

O PSOL sobe duas posições, e ambos PSL e Novo uma.

Proporcionalmente, destaques positivo para PCO (+ 464,29 %), Novo (+ 23,15 %) e REDE (+ 10,47 %), e negativo para PODE (- 1,87 %), PDT (- 1,30 %) e SD (- 0,72 %).

Confira o ranking dos partidos no Ceará em abril de 2018 > 2018 Abril CE

 

DF: PP agora em 4o, partidos pequenos em crescimento, PSDB continua líder.

O DF é a unidade da Federação que conheceu o segundo maior crescimento do eleitorado, depois do Amapá, com + 3,46 %. Eram, no fim de abril, 2.071.195 inscritos nas listas eleitorais distritais. E é a unidade que mais filiou no semestre, com aumento de mais de 4% de eleitores tendo escolhido um partido para chamar de seu.

O PP é o destaque do semestre, vendo seus militantes passar de 15 para quase 19 mil, um crescimento de mais de 25 %.

O PSB, partido do Governador, também cresce com dois dígitos, e já ameaça a nona colocação no ranking do Solidariedade.

O Top 5 permanece tem modificação entre as quarta e quinta posições: PSDB, PMDB, PT, PP, DEM

O PSL ganha duas posições, e PTC, Podemos, PROS, Novo, REDE e Patriotas (PEN) uma cada.

Em termos percentuais, os três partidos que mais cresceram no semestre foram PMB (+ 339,22 %), PCO (+ 162,16 %) e PODE (+ 63,75 %).

Somente nove partidos perdem aderentes, com destaque negativo proporcional para PMN (- 2,11 %), PSTU (- 1,76 %) e PTB (- 1,57 %).

LISTA DOS PARTIDOS E NÚMERO DE FILIADOS NO DF + HISTÓRICO > DF Filiados tabela historico abr 2018 (apertar a seta voltar após leitura)

PP campeão do semestre em crescimento no DF (em número de novos filiados)

3.811 brasilienses são “Progressistas” novos no semestre, num partido que confortou sua militância no eleitorado das cidades. Plano Piloto, Lagos e mesmo Águas Claras e Vicente Pires não estão representados na proporção do número de eleitores na composição geográfica dos aderentes ao PP

Confira a repartição geográfica dos filiados ao PP no DF em abril de 2018 > 2018 abril filiados PP geo

 

ES-ESPÍRITO SANTO

Habitantes: 3.973.697 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.737.473 (+0,89 %)

Eleitores filiados: 343.676 (12,55 % do eleitorado)

Partido do Governador: PMDB

Partido do Prefeito da Capital: PPS

 

Comentário do semestre: partidos pequenos e médios crescem, grandes não.

Top 5: PMDB, PDT, PP, PT, PSDB (sem modificação)

PSL e REDE ganham uma posição no ranking cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o NOVO (+ 33,46 %), REDE (+ 22,63 %) e PPL (+ 8,75 %), e negativo para PT (- 0,97 %), PSB (- 0,80 %) e PV (- 0,60 %).

Confira o ranking dos partidos no Espírito Santo em abril de 2018 > 2018 Abril ES

 

GO-GOIÁS

Habitantes: 6.730.848 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 4.415.534 (-2,82 %)

Eleitores filiados: 674.746 (15.28 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSDB

Partido do Prefeito da Capital: PMDB

 

Comentário do semestre: DEM se aproxima do PT e da quarta colocação, partidos pequenos e médios crescem.

Top 5: PMDB, PSDB, PP, PT, DEM (sem modificação)

PSL, PRTB e Novo ganham uma posição no ranking cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o NOVO (+ 50,23 %), PCO (+ 45,76 %) e REDE (+ 31,42 %), e negativo para PEN (- 10,88 %), PPL (- 2,29 %) e PSB (- 0,58 %).

Confira o ranking dos partidos em Goiás em abril de 2018 > 2018 Abril GO

 

MA-MARANHÃO

Habitantes: 6.954.036 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 4.466.487 (-2,78 %)

Eleitores filiados: 579.522 (12,97 % do eleitorado)

Partido do Governador: PCdoB

Partido do Prefeito da Capital: PDT

 

Comentário do semestre: PSDB é o único partido do Top 15 a crescer acima da média.

Top 5: PMDB, PTB, PDT, DEM, PP (sem modificação)

PSL, SD e PHS ganham uma posição no ranking cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 62,50 %), REDE (+ 47,54 %) e Novo (+ 10,00 %), e negativo para PCB (- 0,48 %), PMDB (- 0,44 %) e RSDC (- 0,27 %).

Confira o ranking dos partidos no Maranhão em abril de 2018 > 2018 Abril MA

 

MG – MINAS GERAIS

Habitantes: 21.119.536 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 15.619.362 (+0,06 %)

Eleitores filiados: 1.759.621 (11,27 % do eleitorado)

Partido do Governador: PT

Partido do Prefeito da Capital: PHS

 

Comentário do semestre: PSC recupera a nona colocação perdida no semestre passado. A maioria dos partidos cresce, mas só ligeiramente.

Top 5: PMDB, PT, PSDB, DEM, PP (sem modificação)

PSC volta à nona colocação, e Novo ganha uma posição.

Proporcionalmente, destaques positivo para o NOVO (+ 53,15 %), REDE (+ 7,52 %) e PCO (+ 6,08 %), e negativo para PMN (- 1,12 %), PSTU (- 0,66 %) e PMDB (- 0,44 %).

Confira o ranking dos partidos em Minas Gerais em abril de 2018 > 2018 Abril MG

 

MS – MATO GROSSO DO SUL

Habitantes: 2.651.235 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 1.853.253 (-0,55 %)

Eleitores filiados: 310.207 (16,73 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSDB

Partido do Prefeito da Capital: PSD

 

Comentário do semestre: os partidos do Top 5 crescem num dos estados que contam a maior proporcionalidade de filiados.

Top 5: PMDB, PT, PSDB, PDT, PTB (sem modificação)

O Podemos e o Novo ganham uma posição no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 100,00 %), Novo (+ 28,08 %) e REDE (+ 19,47 %), e negativo para PMN (- 1,79 %), PCdoB (- 0,57 %) e PPS (- 0,53 %).

Confira o ranking dos partidos no Mato Grosso do Sul em abril de 2018 > 2018 Abril MS

 

MT – MATO GROSSO

Habitantes: 3.344.544 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.311.985 (+2,57 %)

Eleitores filiados: 362.203 (15,67 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSDB

Partido do Prefeito da Capital: PMDB

 

Comentário do semestre: os maiores partidos têm baixa, ou crescimento inferior à média. O PDT ameaça chegar a sétima colocação do PT.

Top 5: DEM, PMDB, PSDB, PPS, PR (sem modificação)

Pen (pelo segundo semestre consecutivo) e Novo ganham uma posição no ranking cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 150,00 %), PEN (+ 69,84 %) e Novo (+ 34,71 %), e negativo para PSB (- 0,79 %), PHS (-0,65 %) e PMB (- 0,37 %).

Confira o ranking dos partidos no Mato Grosso em abril de 2018 > 2018 Abril MT

 

PA – PARÁ

Habitantes: 8.366.628 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 5.429.513 (-1,51 %)

Eleitores filiados: 568.019 (10,46 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSDB

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: menos eleitores, mais filiados, o Pará aumenta sua “taxa de filiados”, que continua uma das mais baixas do País.

Top 5: PMDB, PT, PSDB, PRB, PTB (sem modificação)

SD e PEN prorrogam a ascensão já vista no semestre passado, desta vez acompanhados por PHS e Podemos, todos ganhando uma posição no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 83,33 %), Novo (+ 71,43 %) e Rede (+ 39,56 %), e negativo para PSTU (- 4,39 %, segundo semestre consecutivo), PPL (- 3,06 %, segundo semestre consecutivo) e PSB (- 0,78 %).

Confira o ranking dos partidos no Pará em abril de 2018 > 2018 Abril PA

 

PB – PARAÍBA

Habitantes: 4.025.558 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.840.572 (-2,32 %)

Eleitores filiados: 349.466 (12,30 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSB

Partido do Prefeito da Capital: PV

 

Comentário do semestre: a filiação ao Partido Verde do Prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, permite ao PV de ser o partido com maior crescimento de filiados no trimestre. Talvez paradoxalmente, o PSD, de onde o Prefeito saiu, também vê seus aderentes aumentar. Bem como o PT, onde Cartaxo militou por 20 anos !

Top 5: PMDB, DEM, PSDB, PT, PP (sem modificação)

PRTB e PEN ganham uma posição cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PV (+ 14,05 %), Novo (+ 11,95 %) e Rede (+ 11,69 %), e negativo para PMB (- 4,76 %), PSOL (- 1,30 %) e PR (- 0,80 %).

Confira o ranking dos partidos na Paraíba em abril de 2018 > 2018 Abril PB

 

PE-PERNAMBUCO

Habitantes: 9.473.266 (Estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 6.528.971 (-0,22 %)

Eleitores filiados: 613.739 (9,40 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSB

Partido do Prefeito da Capital: PSB

 

Comentário do semestre: partidos grandes em baixa ou na média, partidos menores crescendo.

Top 5: PP, PT, PMDB, PDT, PSDB (sem modificação)

PSDC e Novo ganham uma posição cada no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o NOVO (+ 38,78 %), PCO (+ 28,28 %) e Rede (+ 16,94 %), e negativo para PSTU (- 1,87 %), PCB (- 0,98 %) e PODE (- 0,77 %).

Confira o ranking dos partidos em Pernambuco em abril de 2018 > 2018 Abril PE

 

PI – PIAUÍ

Habitantes: 3.204.028 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.327.725 (-1,30 %)

Eleitores filiados: 308.671 (13,26 % do eleitorado)

Partido do Governador: PT

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: só o PP cresce no Top 12, em mais um estado com menos eleitores e mais filiados.

Top 5: PMDB, PT, PSDB, PTB, DEM (sem modificação)

Solidariedade e PCO ganham uma posição cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 96,77 %), Novo (+ 43,24 %) e SD (+ 17,49 %), e negativo para PSTU (- 1,79 %, PPL (- 1,37 %, segundo semestre consecutivo), e PSB (- 0,60%).

Confira o ranking dos partidos no Piauí em abril de 2018 > 2018 Abril PI

 

PR – PARANÁ

Habitantes: 11.242.720 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 7.924.671 (-0,27 %)

Eleitores filiados: 1.043.412 (13,17 % do eleitorado)

Partido do Governador: PP

Partido do Prefeito da Capital: PMN

 

Comentário do semestre: depois de um semestre em baixa generalizada dos filiados, a situação se inverte neste: só dois partidos perdem aderentes. O PCO multiplica por seis seus aderentes.

Top 5: PMDB, PP, PSDB, PT, PDT (sem modificação)

PHS e Podemos sobem uma posição cada no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 600,00 %), Novo (+ 54,81 %) e PSOL (+ 18,38 %), e negativo para PRP (- 3,94 %) e PEN PSOL (- 1,88 %)

Confira o ranking dos partidos no Paraná em abril de 2018 > 2018 Abril PR

 

RJ – RIO DE JANEIRO

Habitantes: 16.635.996 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 12.362.316 (+0,34 %)

Eleitores filiados: 1.147.292 (9,28 % do eleitorado)

Partido do Governador: PMDB

Partido do Prefeito da Capital: PRB

 

Comentário do semestre: só quatro partidos perdem militantes, incluindo o PMDB do Governador Pezão. Partidos médios e pequenos crescem.

Top 5: PDT, PMDB, PT, PSDB, PP (sem modificação)

Não há mudanças nas posições no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCO (+ 64,19 %), Novo (+ 30,73 %) e PEN (+ 29,70 %), e negativo para PCB (- 0,33 %), PMN (- 0,25 %) e PTB (- 0,07 %).

Confira o ranking dos partidos no Rio de Janeiro em abril de 2018 > 2018 Abril RJ

 

RN – RIO GRANDE DO NORTE

Habitantes: 3.442.175 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 2.364.148 (-1,33 %)

Eleitores filiados: 270.665 (11,45 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSD

Partido do Prefeito da Capital: PMDB

 

Comentário do semestre: Do Top 12, só o PT conhece aumento de filiados. Os partidos menores também crescem.

Top 5: PMDB, DEM, PP, PSDB, PR (sem modificação)

O Novo ganha duas posições, o PSDC uma.

Proporcionalmente, destaques positivo para o NOVO (+ 62,22 %), PCO (+ 35,29 %) e Rede (+ 29,63 %), e negativo para Pode (- 2,29 %), PSB (- 1,00 %) e PSTU (- 0,66 %).

Confira o ranking dos partidos no Rio Grande do Norte em abril de 2018 > 2018 Abril RN

 

RO – RONDÔNIA

Habitantes: 1.787.279 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 1.165.986 (+1,44 %)

Eleitores filiados: 169.923 (14,57 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSB

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: Daniel Pereira (PSB) vai terminar o mandato de Confúcio Moura (PMDB) na Governadoria: o PSB cresce em filiados, enquanto o PMDB baixa.

Top 5: PMDB, PSDB, PP, PT, PTB (sem modificação)

O PSL ganha duas posições, enquanto PV, Podemos, SD, Pros, Rede e Novo uma cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PMB (+ 275,00 %), Rede (+ 118,39 %) e PROS (+ 27,66 %), e negativo para PCO (- 5,26 %), PPL (- 5,17 %) e PPS (- 1,62 %).

Confira o ranking dos partidos em Rondônia em abril de 2018 > 2018 Abril RO

 

RR – RORAIMA

Habitantes: 514.229 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 324.488 (-0,79 %)

Eleitores filiados: 57.427 (17,70 % do eleitorado)

Partido do Governador: PP

Partido do Prefeito da Capital: PMDB

 

Comentário do semestre: Só o PRP, já líder do ranking, cresce significativamente no seio do Top 10. No entanto, a maioria dos partidos crescem.

Top 5: PRP, PSDB, PDT, PP, PTB (sem modificação)

PCdoB, Podemos, Solidariedade e Novo ganham uma posição cada um no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para o PCB (+ 275,00 %), Rede (+ 103,85 %) e Novo (+ 63,16 %), e negativo para PCO (- 3,92 %), PHS (- 3,82 %) e PSB (- 2,81 %).

Confira o ranking dos partidos em Roraima em abril de 2018 > 2018 Abril RR

 

RS – RIO GRANDE DO SUL

Habitantes: 11.286.500 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 8.312.928 (-0,43 %)

Eleitores filiados: 1.422.531 (17,11 % do eleitorado)

Partido do Governador: PMDB

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: o Top 10 cresce, mas menos que a média. PDT confirma sua liderança aumentando a vantagem sobre o PMDB.

Top 5: PDT, PMDB, PP, PT, PTB (sem modificação)

O Novo ganha duas posições, Solidariedade, PSL e PMN uma cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para PMB (+ 86,96 %), PCO (+ 41,67 %) e PSL (+ 39,93 %), e negativo para PCB (- 2,37 %), PRTB (- 1,09 %) e PHS (- 0,80 %).

Confira o ranking dos partidos no Rio Grande do Sul em abril de 2018 > 2018 Abril RS

 

SC – SANTA CATARINA

Habitantes: 6.910.553 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 5.033.541 (+0,09 %)

Eleitores filiados: 884.255 (17,57 % do eleitorado)

Partido do Governador: PMDB

Partido do Prefeito da Capital: PMDB

 

Comentário do semestre: Eduardo Pinho Moreira (PMDB) assumiu a Governadoria após a renúncia de Raimundo Colombo (PSD). Só o PR cresce além da média no Top 10.

Top 5: PMDB, PP, DEM, PSDB, PT (sem modificação)

Só o Novo sobe no ranking, pelo segundo semestre consecutivo, ganhando uma posição.

Proporcionalmente, destaques positivo para PCO (+ 170,00 %), Rede (+ 53,87 %) e Novo (+ 39,61 %), e negativo para PCB (- 14,29 %), PV (- 0,73 %) e PTB (- 0,46 %).

Confira o ranking dos partidos em Santa Catarina em abril de 2018 > 2018 Abril SC

 

SE – SERGIPE

Habitantes: 2.265.779 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 1.562.627 (+1,89 %)

Eleitores filiados: 176.641 (11,30 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSD

Partido do Prefeito da Capital: PCdoB

 

Comentário do semestre: Crescimento dos filiados, mas em menor amplitude que o aumento dos eleitores. Jackson Barreto renunciando para seu Vice-Governador Belivaldo Chagas Silva, é o PSD governando Sergipe no lugar do PMDB.

Top 5: PT, PMDB, DEM, PSDB, PDT (sem modificação)

PSL, PTC e Novo ganham uma posição no ranking.

Proporcionalmente, destaques positivo para NOVO (+ 34,15 %), PPL (+ 14,40 %) e PEN (+ 11,19 %), e negativo para PMDB (- 1,36 %, segundo semestre consecutivo de destaque negativo), PHS (- 0,63 %) e PCB (- 0,63 %).

Confira o ranking dos partidos em Sergipe em abril de 2018 > 2018 Abril SE

 

SP – SÃO PAULO

Habitantes: 44.749.699 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 33.293.158 (+2,02 %)

Eleitores filiados: 3.217.458 (9,66 % do eleitorado)

Partido do Governador: PSDB

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: 2% de eleitores a mais em São Paulo equivalem a mais de 650 mil pessoas. Ou seja, duas vezes o eleitorado de Roraima ! Do Top 12, só o partido do “novo” Governador Márcio França (PSB) cresce.

Top 5: PMDB, PT, PTB, PSDB, PP (sem modificação)

PSL ganha três posições no ranking, e Novo uma.

Proporcionalmente, destaques positivo para NOVO (+ 38,47 %), PCO (+ 30,45 %) e PEN (+ 9,77 %), e negativo para PRB (- 1,85 %), PSTU (- 1,75 %) e PMN (- 0,91 %).

Confira o ranking dos partidos em São Paulo em abril de 2018 > 2018 Abril SP

 

TO – TOCANTINS

Habitantes: 1.550.194 (estimativa IBGE 2017)

Eleitores: 1.031.262 (+2,93 %)

Eleitores filiados: 201.348 (19,52 % do eleitorado)

Partido do Governador: PHS

Partido do Prefeito da Capital: PSDB

 

Comentário do semestre: Vida política bastante agitada neste semestre no Tocantins. O Governador tampão, atualmente Mauro Carlesse (PHS), será eleito em 03/06, e o Prefeito da capital, Palmas, é uma Prefeita, do PSDB. O PCO, que não estava presente, inicia sua jornada no Tocantins com, por enquanto… 1 militante.

Top 5: PMDB, PP, DEM, PSDB, PR (sem modificação)

PHS ganha três posições no ranking, PSL e PRTB um cada.

Proporcionalmente, destaques positivo para Rede (+ 40,30 %), PMB (+ 39,68 %) e Novo (+ 31,82 %), e negativo para PCB (- 25,00 %), Podemos (- 1,62 %) e PPL (- 1,33 %).

Confira o ranking dos partidos no Tocantins em abril de 2018 > 2018 Abril TO

 

ZZ – BRASILEIROS NO EXTERIOR

Habitantes: segundo o TSE, dos quase 3 milhões de brasileiros que moram fora do país, estima-se que, pelo menos, 1,5 milhão poderiam participar do pleito.

Eleitores: 475.866 registrados (+5,54 %)

Eleitores filiados: 1.283 (0,27 % do eleitorado)

Partido do Presidente da República: PMDB (atualmente), PT (2014, última votação dos brasileiros no exterior)

 

Comentário do semestre: Brasileiros no Exterior só votam para Presidente da República, ou seja, em 2014 pela última vez. Poucos são filiados a partidos. O Novo, partido que mais cresce, entra no Top 10

Top 5: PMDB, PSDB, PT, PP, PTB (sem modificação)

O Novo e o PSL crescem 3 posições no ranking cada um.

Semestre positivo para NOVO (+ 76,47 %), PSL (+58,33 %) e PSC (+ 11,76 %), e negativo para PSTU, que perde um aderente, ou seja, metade de seu efetivo !

Confira o ranking dos partidos para os brasileiros no exterior em abril de 2018 > 2018 Abril ZZ

 

 

TABELA RECAPITULATIVA BRASIL abril 2018 > 2018 Abril Recapitulatif